Poetas Brasileiros-Paulo Leminski

P.Lemiski

Bio-Bibliografia

1944, Curitiba, Paraná, 24 de agosto, nascimento de Paulo Leminski Filho. Filho de Paulo Leminski e Áurea Pereira Mendes Leminski
1964, São Paulo, SP, publicação de poemas na revista Invenção, porta voz da poesia concreta paulista.

1968, casamento com a poeta Alice Ruiz. Filhos: Miguel Ângelo, falecido aos 10 anos; Áurea Alice e Estrela.

1970/1989, Curitiba, Paraná, redator de publicidade. Músico e letrista. Canções gravas por Caetano, A Cor do Som.

1975, Curitiba, PR, publicação de Catatau, um romance experimental.

1980/1986, São Paulo, colaborador do suplemento Folhetim, do jornal Folha de São Paulo; também colaborador da revista Veja.

1984/1986, Curitiba, PR, tradutor de Alfred Jarry, James Joyce, John Fante, John Lennon, Samuel Becktett e Yukio Mishima

1986, São Paulo, SP, publicação do livro infanto-juvenil Guerra dentro da gente.

1989 – Curitiba, PR, 07 de junho: morte.

Paulo Leminski foi um estudioso da língua e cultura japonesas e publicou em 1983 uma biografia de Bashô. Sua obra tem exercido marcante influência em todos os movimentos poéticos dos últimos 20 anos.

Obra

Poesia

LEMINSKI, Paulo. Quarenta clic’s de Curitiba. Poesia e fotografia, com o fotógrafo Jack Pires. Curitiba, Etecetera, 1976. (2ª edição Secretaria de Estado Cultura, Curitiba, 1990.) n.p.
· Polonaises. Curitiba, Ed. do Autor, 1980. n.p.
· Não fosse isso e era menos/ não fosse tanto e era quase. Curitiba, Zap, 1980. n.p.
· Tripas. Curitiba, Ed. do Autor, 1980.
· Caprichos e relaxos. São Paulo, Brasiliense, 1983. 154p.
& RUIZ, Alice. Hai Tropikais. Ouro Preto, Fundo Cultural de Ouro Preto, 1985. n.p.
· Um milhão de coisas. São Paulo, Brasiliense, 1985. 6p.
· Caprichos e relaxos. São Paulo, Círculo do Livro, 1987. 154p.
· Distraídos venceremos. São Paulo, Brasiliense, 1987. 133p. (5ª edição 1995)
· La vie en close. São Paulo, Brasiliense, 1991.
· Winterverno (com desenhos de João Virmond). Fundação Cultural de Curitiba, Curitiba, 1994. (2ª edição a sair pela Iluminuras)
· Szórakozott Gyozelmunk (Nossa Senhora Distraída) – Distraídos venceremos, tradução de Zoltán Egressy . Coletânea organizada por Pál Ferenc. Hungria, ed. Kráter, 1994. n.p.
· O ex-estranho. Iluminuras, São Paulo, 1996.
· Melhores poemas de Paulo Leminski. (seleção Fréd Góes) Global, São Paulo, 1996.
· Aviso aos náufragos. Coletânea organizada e traduzida por Rodolfo Mata. Coyoacán – México, Eldorado Ediciones, 1997. n.p.

PROSA

LEMINSKI, Paulo. Catatau (prosa experimental). Curitiba, Ed. do Autor, 1975. 213p.
· Agora é que são elas (romance). São Paulo, Brasiliense, 1984.1 63p.
· Catatau. 2ª ed. Porto Alegre, Sulina, 1989. 230p.
· Metaformose, uma viagem pelo imaginário grego (prosa poética/ensaio). Iluminuras, São Paulo, 1994. (Prêmio Jabuti de poesia , 1995)
· Descartes com lentes (conto). Col. Buquinista, Fundação Cultural de Curitiba, Curitiba, 1995. · Agora é que são elas (romance). 2ª ed. Brasiliense / Fundação Cultural de Curitiba, 1999.

BIOGRAFIAS

LEMINSKI, Paulo. Cruz e Souza. São Paulo, Brasiliense. 1985. 78p.
· Matsuó Bashô. São Paulo, Brasiliense, 1983. 78p.
· Jesus. São Paulo, Brasiliense, 1984, 119p.
· Trotski: a paixão segundo a revolução. São Paulo, Brasiliense, 1986.
· Vida (biografias: Cruz e Souza, Bashô, Jesus e Trótski). Sulina, Porto Alegre, 1990. (2ª edição 1998)
„. ENSAIOS
·POE, Edgar Allan. O corvo. São Paulo, Expressão, 1986. 80p. (apêndice)
· Poesia paixão da linguagem. Conferência incluída em Sentidos da paixão. Rio de Janeiro, Companhia das Letras, 1987. p.287-305.
· Nossa linguagem. In: Revista Leite Quente. Ensaio e direção. Curitiba, Fundação Cultural de Curitiba, v.1, n.1, mar.1989.
LEMINSKI, Paulo. Anseios crípticos (anseios teóricos): peripécias de um investigador dos sentido no torvelinho das formas e das idéias. Curitiba, Criar, 1986. 143p.
·Metaformose, uma viagem pelo imaginário grego (prosa poética/ensaio). Iluminuras, São Paulo, 1994. (Prêmio Jabuti de poesia , 1995) ·Ensaios e anseios crípticos. Curitiba, Pólo Editorial, 1997. n.p.

TRADUÇÕES

FANTE, John. Pergunte ao pó. São Paulo, Brasiliense, 1984.
FERLINGHETTI, Lawrence. Vida sem fim (com Nelson Ascher e outros tradutores). São Paulo, Brasiliense, 1984. n.p.
JARRY, Alfred. O supermacho; romance moderno. São Paulo, Brasiliense, 1985. 135p. lndição editorial, posfácio e tradução do francês.
JOYCE, James. Giacomo Joyce. São Paulo, Brasiliense, 1985. 94p. Edição bilingüe, tradução e posfácio.
LENNON, John. Um atrapalho no trabalho. São Paulo, Brasiliense, 1985.
MISHIMA, Yukio. Sol e aço. São Paulo, Brasiliense, 1985.
PETRONIO. Satyricon. São Paulo, Brasiliense, 1985.191 p. Traducão do latim.
BECKETT, Samuel. Malone Morre. São Paulo, Brasiliense, 1986.16Op. lndicação editorial, posfácio e traduções do francês e inglês.
Fogo e água na terra dos deuses. Poesia egípsia antiga. São Paulo, Expresão, 1987. n.p.

LITERATURA INFANTO-JUVENIL

LEMINSKI, Paulo. Guerra dentro da gente. São Paulo, Scipione, 1986. 64p.
· A lua foi ao cinema. São Paulo, Pau Brasil, 1989. n.p.

INÉDITOS

Gozo Fabuloso (contos)
Argumento (teatro)

OUTROS

· Um escritor na biblioteca (“bate-papo”). Biblioteca Pública do Parana, Curitiba, 1985.
· Paulo Leminski. Série Paranaenses, reunião de entrevistas e resenhas. Scientia et Labor, Curitiba, 1988.
· Memória de vida (homenagem póstuma). Fundação Cultural de Curitiba, Curitiba, 1989.
· Uma carta uma brasa através / Cartas a Régis Bonvicino (correspondência). Iluminuras, São Paulo, 1991.
MENEZES DE MELO, Tarso. Poesia, pão e circo & Paulo Leminski: ofício de fascínio (ensaios). Alpharrabio, Santo André, 1997.
· Envie meu dicionário / Cartas a Régis Bonvicino e alguma crítica (correspondência). 34 Letras, São Paulo, 1999.
Cinema
ROTEIRO para documentário sobre o Museu David Carneiro.
DRAMA da fazenda Fortaleza (participação no roteiro).

Novela
Minha Classe Gosta, Logo, É Uma Bosta

Telenovela
OUTRA paixão é um perigo

Quadrinhos
QUANDO papai voltar

Roteiros
O ANÃOZlNHO de bordel
SINAL verde para o prazer
A VIDA e morte

Produção musical

LETRA E MÚSICA de Paulo Leminski

·1981- Verdura – Caetano Veloso no disco OUTRAS PALAVRAS
·1981- Mudança de estação -A cor do Som no disco MUDANÇA DE ESTAÇÃO
·1981- Valeu – Paulinho Boca de Cantor no disco VALEU
·1982- Se houver céu – Paulinho Boca de Cantor no disco PRAZER DE VIVER
·1982- Razão – A Cor do Som no disco MAGIA TROPICAL
·1990- Verdura – Blindagem no disco BLINDAGEM
·1990- Se houver céu – Blindagem no disco BLINDAGEM
·1993- Mãos ao alto – Edvaldo Santana no disco LOBO SOLITÁRIO
·1994- Luzes – Suzana Salles no disco SUZANA SALLES
·1996- Mudança de estação – A cor do Som no disco AO VIVO NO CIRCO

GRAVAÇÕES EM PARCERIA (Letras de Paulo Leminski e música dos parceiros)

·1976- Festa Feira – com Celso Loch no disco MAPA – Movimento de Atuação Paiol
·1982- Promessas demais – com Moraes Moreira e Zeca Barreto, gravação por Ney Matogrosso
·1982- Baile no meu coração – com Moraes Moreira no disco COISA ACESA
·1982- Decote Pronunciado – com Moraes Moreira e Pepeu Gomes no disco COISA ACESA
·1982- Pernambuco Meu – com Moraes Moreira no disco COISA ACESA
·1983- Sempre Ângela – com Moraes Moreira e Fred Góes no disco SEMPRE ANGÊLA de Ângela Maria
·1983- Teu Cabelo – com Moraes Moreira no disco PINTANDO O 8
·1983- Oxalá – com Moraes Moreira no disco PINTANDO O 8
·1984- Mancha de Dendê não sai – com Moraes Moreira no disco MANCHA DE DENDÊ NÃO SAI
·1984- Milongueira da Serra Pelada, O Prazer do Poder, Circo Pirado, Xixi nas estrelas, Cadê Vocês?, Coração de Vidro, Frevo Palhaço, Viva a Vitamina com Guilherme Arantes no disco PIRLIMPIMPIM 2
·1985- Alma de Guitarra – com Moraes Moreira no disco TOCANDO A VIDA
·1985- Vamos Nessa – com Itamar Assumpção no disco SAMPA MIDNIGHT
·1986- Desejos Manifestos – com Moraes Moreira e Zeca Barreto no disco MESTIÇO É ISSO
·1986- Morena Absoluta – com Moraes Moreira no disco MESTIÇO É ISSO
·1988- UTI – com Arnaldo Antunes, gravado por Clínica no disco CLÍNICA
·1990- Oração de um Suicida -com Pedro Leminski, Blindagem no disco BLINDAGEM
·1990- Sou legal eu sei – com Ivo Rodrigues no disco BLINDAGEM
·1990- Não posso ver – com Ivo Rodrigues no disco BLINDAGEM
·1990- Palavras – com Ivo Rodrigues no disco BLINDAGEM
·1990- Hoje – com Ivo Rodrigues no disco BLINDAGEM
·1990- Marinheiro – com Ivo Rodrigues no disco BLINDAGEM
·1990- Quanto tempo mais – com Ivo Rodrigues no disco BLINDAGEM
·1990- Legião de anjos – com Ivo Rodrigues no disco BLINDAGEM
·1991- Lêda – com Moraes Moreira no disco CIDADÃO
·1991- Morena Absoluta – com Moraes Moreira no disco OPTIMUN IN HABBEAS COPPUS
·1992- Polonaise – com José Miguel Wisnik no disco JOSÉ MIGUEL WISNIK
·1992- Subir Mais – com José Miguel Wisnik no disco JOSÉ MIGUEL WISNIK
·1993- Alles Plastik – com Carlos Careqa no disco TODOS OS HOMENS SÃO IGUAIS
·1993- Freguês Distinto – com Edvaldo Santana no disco LOBO SOLITÁRIO
·1993- Custa nada sonhar – com Itamar Assumpção no disco BICHO DE 7 CABEÇAS
·1994- Polonaise – com José Miguel Wisnik na trilha sonora do filme ED MORT
·1995- O Deus – com Edvaldo Santana e Ademir Assunção no disco TÁ ASSUSTADO? de Edvaldo Santana
·1996- Filho de Santa Maria – com Itamar Assumpção, gravado por Zizi Possi no disco MAIS SIMPLES
·1996- ODE X – com Marcelo Solla no disco Marcelo Solla
·1997- Lua no Cinema – com Eliakin Rufino no disco SANSARA da Sansara
·1997- Lêda – com Moraes Moreira no disco 50 CARNAVAIS
·1997- Mancha de dendê não sai – com Moraes Moreira no disco 50 CARNAVAIS
·1997- Parece que foi ontem – com Bernardo Pelegrini no disco QUERO SEU ENDEREÇO da banda Bernardo e o bando do cão sem dono.
·1997- Filho de Santa Maria – com Itamar Assunção no disco QUERO SEU ENDEREÇO da banda Bernardo e o bando do cão sem dono.
·1998- Legião de Anjos – com Ivo Rodrigues no disco DIAS INCERTOS
·1998- Rapidamente – com Ivo Rodrigues no disco DIAS INCERTOS
·1998- Filho de Santa Maria – com Itamar Assumpção, Beco no disco BECO
·1998- V. de Viagem – com Beco no disco BECO
·1998- Peso da Lua – com Beco no disco BECO
·1998- Coisas – com Celso Loch no disco VERFREMDUNGSEFFEKT BLUES
·1998- Além Alma – com Arnaldo Antunes no disco UM SOM
·1998- Dor Elegante – com Itamar Assumpção no disco PRETOBRÁS
·1999- Perdendo Tempo – com Thadeu / Roberto Prado / Walmor Douglas na trilha sonora do filme BAR BABEL da banda Maxixe Machine

NOTA: Não estão relacionadas as participações em antologias, prefácios e esparsos. A relação da produção musical não está completa.

—-

Fonte:Revista Agulha-Jornal da Poesia

Anúncios

Autor: Fabio R.

Para começar eu nunca tive as letras como profissão comecei a escrever por dois motivos: ---para passar o tempo ---para espantar a insônia Hoje escrevo pra responder a simples pergunta: serei eu um ser inteligente ou apenas mais um animal na face da Terra? Eu comecei com umas HQS ao 6 anos( em 1988),logo que aprendi a ler um pouco melhor, incialmente impulsionado pela leitura do Gibi do Cascão. Logo as estórias do menino que nao toma banho ficaram sem muitos atrativos e comecei a fzr minhas estórias. No começo era apenas comédia infantil, mais depois de 3 sequencias de "SEXTA FEIRA 13" comecei a me interessar pelo genero do terror. Bem a fase de HQS durou até os 12 anos e seu auge foi entre 1990 e 1992 quando tinha mais 7 amigos produzindo e compartilhando suas HQS comigo.Confesso que nao desenhavamos muito bem. Depois um periodo negro me encontrou,estou falando da adolescência de HEAD BANGUER, passava o dia todo escutado SABBATH e MAIDEN. Então impulsionado por toda a euforia daquele som,e pela vontade de pegar garotas, montei uma banda com os amigos.Não conseguiamos tocar covers nem dos RAMONES entao faziamos nossas composições, era bem simples tinhamos dois guitarristas, um que começava a aprender a escala pentatônica com seu professor particular, e um que tocava hinos religiosos, por incompentência mesmo após alguns meses de conservatório eu fui delegado ao posto de vocalista,tbm tinhamos um baixista que nunca aparecia nos ensaios. O que isso tem a ver com a escrita vcs me perguntam?Era eu que compunha a maioria das letras pops e desnexadas, três shows em colégios e 3 brigas por namoradas depois a banda entrou em um hiato indefenido, conseguimos 8 composições, a maior delas "Herdeiro do céu e da solidão" que teria sido um clássico do METTAL se as fitas de rolo magnético da decáda de 50 que herdei com um gravador de meu avô tivessem resistido a fúria de um vira latas. Bem o interesse por poesia começou no colegial, quando descobri que algumas menininhas ficavam impressionadas ao escutar um soneto de Camões ou de Augusto do Anjos. E usei umas duas composições minhas para arranjar namorada. Finalmente chegamos até o dia de hoje onde ainda não consegui escrever uma poesia decente,sempre erro a métrica, e não sei onde diabos a aliteração se encaixa em um texto. Bem, meu objetivo principal é superar a façanha de meu avô Juliano que consegui em 60/70 publicar algumas poesias em um livro de contos regionais no interior de SP. Espero que vcs se divirtam e reflitam como é imprestável um ser humano neste planeta ao lerem minhas tentativas de poetar. Fora da comunidade vcs podem também acessar o site: www.epicosubmundo.blogspot.com Fabio R.Vieira

4 comentários em “Poetas Brasileiros-Paulo Leminski”

  1. “ESCOLHER NUNCA FOI TÃO FÁCIL, QUANDO A ESCOLHA IDENTIFICA TRÊS COISAS: PRECISÃO, COERÊNCIA E SE FAZ NO CAMINHO SEM VOLTA DA SABEDORIA”.

  2. I don’t even know how I ended up here, but I assumed this put up used to be great. I do not know who you’re however certainly you are going to a famous blogger when you aren’t already. Cheers!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s