You are currently browsing the monthly archive for outubro 2008.

Evening on Karl Johan-Edvard Munch 1892

.

À cidade: ansiedade;

Veio tatear com negros palpos
O repousar dum homem temeroso
Mordazes, como outrora, eles são:

No pulso destoante as sirenes
Na atmosfera metalina adentro dos pulmões
Na condensação da calma em suor

A minar as forças, acuam a autocensura!
E no torpor sentido se emaranha
Qualquer outro sentido consolador
Que o seu estágio clínico reverta

À cidade: improbabilidade;

De nunca esbarrar em paixões incondicionais
De alguns segundos duradouros
Entre tuas travessias

De no fim do expediente não olvidar-se
Dos prazos, e desfrutar boa companhia.
De não satirizar á si mesmo

Da cidade: ferocidade;

Na disparidade entre as classes
Que roteiriza tragédias traumáticas
Que destoam em síndromes coletivas

Na trajetória retilínea dos pássaros
Que se chocam nos pára-brisas
No endividamento da’lma sânie

Na cidade: oportunidade

De saldar os danos, a cicatriz.
De ir e vir-se a transformar
Na vivência solidária,não solitária

De argüir-se partidário do amicíssimo
E de, por fim, fender às persianas:
Para a cumplicidade!

Uma das principais vantagens em habitar uma metrópole como São Paulo, è que ,apesar de tudo, a cidade transborda Cultura. Um exemplo disso aconteceu comigo recentemente, quando ao me abrigar da chuva  topei com uma exposição a respeito do alfabeto e da literatura coreana, no espaço literário “Haroldo de Campos” na paulista.Então,após uma palestra da especialista em língua coreana e tradutora Yun Jun Im,  resolvi aprofundar-me nas pesquisas e começar á postar algumas descobertas aqui na net:

Introdução

Primeiramente digo a vocês que o povo coreano possui um alfabeto próprio o Hangul, como informação relevante para a diferenciação do idioma da Coréia(e nesse caso não importa a discriminação politíca em Norte e Sul, porque  até 1953 só existia uma Coréia) com os outros idiomas orientais.

A história do Sijô nos remete a uma época em que o governo da península corena se dava pelas grandes Dinastias, entre elas a Koryó(918-1393) e a Yi(1392-1910).E começa uma fase de transição filosófica do Budismo para o Confucionismo.

Sobre o Sijô

O Sijô era uma arte restrista aos nobres e politícos,consolidando-se como arte no séc XIII de nossa era, e tradicionalmente repassado ao povo por tradição oral. A estruturação original básica do Sijô são 3 versos e em média 45 sílabas. Nas traduções para a língua portuguesa essa estrutura foi modificada para 3 estrofes e quatro grupos frasais(essa modificação foi feita para aferir o aspecto de correspondência entre o o diagrama sonoro original-melodia e fala).
As temáticas recorrentes nos sijôs são:- os dilemas e regras comportamentais do homem dentro dos ensinamentos do confucionismos; e posteriormente após sua popularização no séc XVIII- as temáticas amorosas, e de comtemplação da natureza.

(Fonte:texto elaborado com pesquisas e palestra e também com informações obtidas na antologia “Sijô:poesiacanto coreana clássica” de autoria de Yun Jung Im e Alberto Marsicano com colaborações especiais de Haroldo de Campos)

Alguns sijôs selecionados:

O sol se põe
no oeste
O rio deságua
no Mar do Leste

Os heróis
de todos os tempos
se findam
nos mausoléus

Deixa:é o curso natural de ascensão e queda
Haverá um modo
de detê-lo? (Tchwe Tchung-984-1068)

Dois budas de pedra
frente a frente
sem roupa
sem comida

sob o vento
sob a chuva
neve
geada

Ainda assim os invejo pois não conhecem
a dor humana
da separação (Jóng Tchór-1536-1593)

Reflexo
sobre a água:
Um monge
cruza a ponte

Monge,
um momento:
para onde
vais?

Apontou então a nuvem branca
e partiu
sem mais( anônimo)

Não te importes
em estender a esteira
pois folhas secas
se espalham no chão

Não acendas
a tocha
que a lua de ontem
já surge no céu

Não me digas,menino que não há vinho:
dá-me um copo, que beberei
entre estes montes verdes. (Han Ho-1543-1605)

—–
Obs: para você que estára em São Paulo(SP) até dia 30 nov. poderá conferir a exposição sobre o Hangul de dom á dom até 30 nov. na ‘Casa das Rosas – Espaço Haroldo de Campos de Poesia e Literatura’ av.paulista,37 prox.metrô Brigadeiro

O legado do Rambo, Palin na famosa montagem de "american guardian"

O legado do Rambo, Palin na famosa montagem de "american guardian"

Glorioso

vem
ser
dor!

—–

Sacrificar


o
brio!

NICO & TINA//FU_MAÇA

Disparam o estopim//Fuligem nas artérias
Vindo até mim//bolo amorfo
Com suas delinqüentes: cara de tara//Desgraça,Miséria!

Fabio R.//Cil

então retirando-se as “barras”

a leitura fica:

NICO & TINA FU_MAÇA

Disparam o estopim fuligem nas artérias
Vindo até mim bolo amorfo
Com suas delinqüentes: cara de tara,desgraça,miséria!

*O desafio neste caso é o encaixe para que os dois autores em conjunto criem um “novo poema”

——–

Outro exemplo é o seguinte:

Vôos//Em turbilhão

Partem-se as correntes//escamas de serpente
O homem colhe nas mãos//delírios,mar adentro
A sua condição original: livre re__torna//num beijo,de Eros.
Fátima Mota//Fabio R
Tragi ou cômico? // Vida!!

Em cena://Meu sorriso pede bis.
Acena!//Com a alegria dos meus versos
O ciúme//derrete-se. Gotas de paixão permanecem.

Fabio R//Fátima Mota


ORIGEM

O Poetrix é uma forma de manifestação poética idelizada pelo escritor baiano Goulart Gomes, conta-nos o autor que a idéia surgiu através de exposições/discussões sobre sua criação literária com seu amigo e pesquisador de Hai-Kai Aníbal Beça.Diz Goulart Gomes, no primeiro manifesto poetrix que a “fagulha” criativa surgiu a partir do seguinte comentário do amigo:”Goulart, pode chamar seus inventivos tercetos do que quiser, menos de Hai-Kais”.Então assim em 1999, apareceu a primeira menção “oficial” do estilo no livro “TRIX POEMETOS TROPI-KAIS, Goulart Gomes (Bahia: Pórtic).Sim meus amigos o POETRIX inicialmente foi lançado como uma “reação” antropofágica,uma “abrasileração” ao Haiko.Nas palavras do autor do livro: “O POETRIX vai muito além do ascetismo espartano do Hai-Kai. É isso o que trás este livro: poemetos tropi-kais, leves como quem vive abaixo da linha do Equador. Convido os poetas a exercitá-lo e os leitores a apreciá-los.”

Outra referência que foi citada pelo inventor para as origens do POETRIX são a inspiração no tradicionais tercetos italianos.E os “poemas minuto”, presentes na literatura brasileira.

POETRIX conceituação

poe=poesia, trix =três

O POETRIX é um poema composto de título e uma estrofe de três versos
(terceto) com um máximo de trinta sílabas métricas.São caracteristícas inerentes ao POETRIX:

– possuir apenas uma estrofe de três versos, com um máximo de 30 sílabas;
– o título é exigível, podendo complementar o texto ;
– não existe rigor quanto a métrica ou rimas (mas o ritmo é desejável);
– metáforas e outras figuras de linguagem, assim como neologismos, são uma constante no poetrix;
– geralmente há uma interação autor/leitor provocada por mensagens
subliminares;
– é minimalista, ou seja, procura transmitir a mais completa mensagem em um menor número de palavras;
– passado, presente e futuro podem ser utilizados sem distinção;
– o autor, as personagens e o fato observado podem interagir, mesmo
criando condições suprarreais, cômicas ou ilógicas (non sense).

*obs:o aglomerado de 3 frases coordenadas entre si não é POETRIX,nem os ditados populares,  o poetrix deve ser a menor expressão possível que sugestione o leitor a fazer sua(s) própria(s) interpretações sobre um tema escolhido por quem o escreve

POETRIX como forma de criação coletiva

Um dos maiores diferenciais do POETRIX em relação a outras formas poéticas e sua versatilidade na utilização como arte coletiva. Nas palavras de Goulart Gomes:” Um poetrix sozinho não tece uma linguagem ele precisará sempre de outro poetrix.De um que apanhe esse grito e o lance a outro que com muitos poetrix se cruzem os fios do sol e de seus gritos de poetrix para que a manhã desde uma teia tênue se vá tecendo.E se encorporando o estilo, entre todos, se erguendo o gênero, se multiplixando onde no toldo a poesia plana livre de armação.A poesia é um toldo de um tecido tão aéreo que,tecido,se eleva por si: inspiração”

São formas de interação coletiva:

Duplix:um poema resultante da junção de dois
Poetrix, preservando-se-lhes as independência e
características de composição.

Triplix: um poema resultante da junção de três
Poetrix, preservando-se-lhes as independência e
características de composição.

Multiplix: um poema resultante da junção de
quatro ou mais Poetrix, preservando-se-lhes as
independência e características de composição.

A Ciranda: série de poetrix temáticos de um ou de vários autores.

Variações do estilo

São variações do estilo criadas e adaptadas dentro do grupo do movimento poetrix:

Letrix:escrito com um título ou “tema poético” na vertical em até 7 letras,com um desfecho final na última “estrofe”

Palavratrix:consiste em encontrar palavras, do nosso idioma, que apresentem duplo sentido quando fracionadas em três versos. É preciso que se dê um título ao poema para que ele não perca uma das características fundamentais do Poetrix.

Grafitrix: poetrix ilustrado com foto, desenho ou montagem

Video: poetrix com animação visual

*além de Goulart Gomes são membros atuantes do MIP responsáveis por criações e adequações no estilo: Pedro Machado Cardoso, Marco Bastos,Aila Magalhães e Lorenzo G. Ferrari entre outros.

Fontes consultadas: Página pessoal de Goulart Gomes, Página do MIP(movimentopoetrix.com), Palavreiros(www.palavreiros.org) e material vinculado dentro do Grupo de discussão Poetrix

***

Minha relação com o POETRIX

Descobri o que é o POETRIX, ao acessar o site Recanto das Letras,hospedado pelo provedor UOL, para ler os textos de uma amiga,Gita Habiba, que conheci através do site que participo(Poesia e Companhia), então acessando o fórum de discussões do site RL achei a citação de Goulart Gomes como o ‘pai do estilo’, li seus textos e acessei as informações do estilo á partir de fontes citadas pelo autor.Então fui coligando informações na rede e dentro do grupo de discussão poetrix.Isso aconteceu no começo deste ano 2008.

MInha análise pessoal e que o estilo é extremamente versátil, servindo desde o humor ácido e  político, até para os momentos de reflexão, que ficam mais a cargo do leitor. Também é um estilo que privilegia a interação do leitor com a poesia, já que a subliminaridade estimula as múltiplas interpretações.Além do já citado papel do estilo como forma de interação coletiva.

Fabio R.

Às-ceta

Cerca-se;
neurose?
overdose em si mesmo!

*
PÚBLICO

Drama,
ti,
cidade.
*
Capital alado

No ar, em crise;
histérico deslize
á margem da vista!

Trilussa é o pseudônimo do escritor italiano Carlos Alberto Salustri,nascido na cidade de Roma em 1873.
Iniciou sua carreira literária aos 16 anos, com publicações no jornal alternativo “Rungartino”.

Seus poemas são,em sua maioria, de conteúdo político, recheados de ironias e um certo humor ácido,
porém não possuem o tom agressivo ou de ressentimento, que geralmente, permeia esse estilo de composição poética.

Isso porque Trilussa escreve seus poemas como pequenas fábulas, desta maneira a intenção crítica do autor
vai sendo assimilada de forma despretenciosa pelo  seu leitor.No Brasil o principal tradutor e divulgador da obra do poeta italiano, é Paulo Duarte que desenvolveu  uma antologia do autor no livro ” Versos de Trilussa(1973).Ed Brasiliense”.Nas páginas iniciais o tradutor descreve um pouco da sua relação com a poesia de Trilussa, discorrendo   posteriormete sobre a biografia do italiano.

Este livro reune poemas publicados entre 1922 e 1944, e traz em destaque dois poemas publicados um pouco
antes da morte do italiano(1950) são eles: “A Vespa Tereza” e ” O bom Reino da Esculhambação”, para todos os poemas do livro são mostrados também  os originais em italiano.
—-

A lesma

Exausta, a pobre Lesma da vanglória,
ao atingir o cume do obelisco,
disse,olhando da própria baba o risco:
Meu rasto ficará também na História!

Autarquia

Ao ver o inseticida nacional
nas mãos do negociante a Mosca diz:
-Isto foi feito pra fazer-me mal,
porém,como pe produto do país…

O Porco e o Burro

Um dia, o Burro vendo que o açogueiro
levava para matança um Porco amigo,
gemeu,em pranto:-Adeus ó companheiro!
tua lembrança ficará comigo!

-Qual?diz o Porco, a morte é uma alforia!
portanto,amigo,nada de tristeza,
até podemos nos rever um dia,
em qualquer mortadela a bolonhesa…


O Bom Reino da Esculhambação(Scocciacó)

-Querem a liberdade?…Tê la-ão!
Mequetrefe declara, ao ver-se feito
rei do bom reino da Escolhambação
Disto isto,enverga a farda,estufa o peito,
põe-se á sacada e fala à multidão:

Caros cupinchas!a partir de agora,
cada um fará o que for do seu agrado,
mesmo o que estava proibido outrora,
contanto que me deixem sossegado…
-Bravos!a multidão delira e chora:
soberanos enfim-a massa exclama-
de pleníssimo acordo com o programa!

Renova-se o governo, e se suprime,
com o voto do Partido Liberal,
uma parte do Código Penal,
conforme o figurino do regime.

Mas,certo dia, o mesmo povo viola
o pacto e vem de novo para a rua,
fazendo o rei pular como uma mola.
– Bolas!diz ele,se isto continua,
a mamata se vai e adeus viola!

Um tomou a palavra:-Majestade!
visto estar convencida toda gente
de que emperrou a roda novamente
queremos devolver a liberdade.
que um dia nos foi dada de presente;
nós queremos um homem positivo
que reforce o Poder Executivo!

POSTERGANDO TRABALHO

Trabalho estacionado, frente ao monitor.
Mas quisera ser festiva cia; mambembe:
– Rumo ao último trago salvador!

****

AZIADO

Um bilhão de arquétipos na China,
A vista um recém emigrado:
-Negocia artigos falsificados!

***

HOMEOPÁTICO
Em apinéia diária, via engarrafada;
Aborrece mais que cachaça ingerida:
-Sem a devida homeopatia!

****

MINI-ANIMALISTA
-Louca esfera crua e rouca!
Balbuciou ás portas do Éden, a minhoca.
Antes de optar por viver debaixo da terra

****

CONGRUÊNCIA
Antimatéria; autofagia.
Antidemocrático; automático
Anti-poético; asséptico!
*

AVISO COMERCIAL
Senhores clientes,
não há devoluções ou  trocas
No caso de compra de juízo

Borges é considerado o maior expoente da Literarutara portenha,nasceu em Buenos Aires, aprendeu inglês na infância e começou a fazer  resumos literários.Mudou-se para a Europa com seu pai, onde em 1919 começou a publicar assiduamente poemas manifesto,que culminam com a publicação do livro “Salmos Vermelhos”(1920), que traz temas relativos a revolução russa, essa coletânea se inclui
na consideração do autor de seus “filhos bastardos”,em termos de literatura.Isso porque o autor,quando na maturidade,chega a “renegar” as obras de sua juventude.
Este fato chega a distanciar didaticamente essas duas fases de Borges.Regressa para Argentina e publica seu  livro “impessoal”  de poesia “Fervor em Buenos Aires”(1923).Na Argentina, o autor manteve-se distante das vanguardas futuristas que lá jaziam(também como em boa parte da América Latina), e teve uma preocupação maior em escrever para a exaltação da pátria.Nesse período os poemas,
dele trazem as alterações na linguagem escrita para reproduzir a linguagem falada.

Depois publica vários livros de poesias e contos, um dos mais importantes o “Aleph(1949). Em 1937  passa à ser diretor da Bliblioteca Nacional e nos anos cincoenta á dar aulas de literatura inglesa na Universidade de Buenos Aires.

Há flertes na obra do autor portenho(contos) com o exprecionsimo alemão, em também com o movimesmo politíco conhecido como “Ferrismo”.
Esteticamente,os acadêmicos,consideram que o único movimento literário ao qual o autor esteve realmente ligado, foi o ultraísmo.

Uma característica pertinente a Borges, foi a constante modificação dos seus livros, isso porque a cada reedição o autor excluía ou incluía alguns textos.

Em 1961 ganha o prêmio literário “Fomentor” na Espanha(dividido com Samuel Beckett), na seqüência publica mais seis livros.Finalmente em 1986 morre de câncer em Genebra.

Fonte:esse é uma resumo feito a partir de fontes:Borges Vanguardista-palestra do ciclo literário sobre Borges da ” Casa das Rosas(SP)” e Jornal de Poesia.

Mais sobre a biografia do autor,para quem estará na cidade de São Paulo(até dia 16/11) poderá ser conferido em um monólogo que estára em exibição na “Casa das Rosas” mais informações acesse “Dicas Culturais” aqui mesmo neste site.

Leia Mais sobre vida e obra

Poemas:

A un poeta menor de la antología

¿Dónde está la memoria de los días
que fueron tuyos en la tierra, y tejieron
dicha y dolor y fueron para ti el universo?
El río numerable de los años
los ha perdido; eres una palabra en un índice.
Dieron a otros gloria interminable los dioses,
inscripciones y exergos y monumentos y puntuales historiadores;
de ti sólo sabemos, oscuro amigo,
que oíste al ruiseñor, una tarde.
Entre los asfodelos de la sombra, tu vana sombra
pensará que los dioses han sido avaros.
Pero los días son una red de triviales miserias,
¿y habrá suerte mejor que ser la ceniza,
de que está hecho el olvido?
Sobre otros arrojaron los dioses
la inexorable luz de la gloria, que mira las entrañas y enumera las grietas,
de la gloria, que acaba por ajar la rosa que venera;
contigo fueron más piadosos, hermano.
En el éxtasis de un atardecer que no será una noche,
oyes la voz del ruiseñor de Teócrito.

Fonte:Vivir Poesia

OS JUSTOS

Um homem que cultiva seu jardim, como queria Voltaire.

O que agradece que na terra haja música.

O que descobre com prazer uma etimologia.

Dois empregados que num café do Sur jogam um silencioso xadrez.

O ceramista que premedita uma cor e uma forma.

O tipógrafo que compõe bem esta página, que talvez não lhe agrade.

Uma mulher e um homem que lêem os tercetos finais de certo canto.

O que acaricia um animal adormecido.

O que justifica ou quer justificar um mal que lhe fizeram.

O que agradece que na terra haja Stevenson.

O que prefere que os outros tenham razão.

Essas pessoas, que se ignoram, estão salvando o mundo.

Fonte:Oficina Literário do escritor Brasileiro Carlito Azevedo

Seguindo a divulgação no blog do trabalho de poetas/escritores famosos,que tenho lido, posto aqui uma amostra do escritor,ensaísta e dramaturgo  naturalizado inglês Thomas Stearns Eliot. Abaixo uma pequena nota bibliografica:

Poeta, crítico e dramaturgo norte-americano naturalizado inglês (26/9/1888-4/1/1965). Considerado um dos principais nomes da poesia moderna de língua inglesa. Nascido em Saint Louis, Missouri, Thomas Stearns Eliot estuda nas universidades de Harvard (EUA), Oxford (Inglaterra) e Sorbonne (França). Em 1915, desencantado com a vida cultural dos EUA, muda-se para Londres, onde trabalha no Lloyds Bank durante sete anos.

Em 1917 publica A Canção de Amor de John Alfred Prufrock, de influência simbolista. Seus ensaios em The Sacred Wood (1920) iniciam uma revolução nos critérios da análise literária. O reconhecimento

nternacional é alcançado com A Terra Devastada (1922), sua obra-prima. É uma longa descrição poética da Europa desolada do pós-guerra e uma síntese dos grandes momentos da civilização ocidental. Além dos simbolistas franceses, o escritor italiano Dante Alighieri influencia sua obra, que explora os mecanismos da consciência. Em 1927 naturaliza-se inglês e converte-se ao anglicanismo. Recebe o Prêmio Nobel de Literatura em 1948. Escreve as peças Murder in the Cathedral (1935), The Family Reunion (1939) e The Elder Statestman (1958), entre outras.

fonte:Universidade Federal do Rio Grande do Sul

OS HOMENS OCOS

“A penny for the Old Guy”

(Um pêni para o Velho Guy)

Nós somos os homens ocos
Os homens empalhados
Uns nos outros amparados
O elmo cheio de nada. Ai de nós!
Nossas vozes dessecadas,
Quando juntos sussurramos,
São quietas e inexpressas
Como o vento na relva seca
Ou pés de ratos sobre cacos
Em nossa adega evaporada
Fôrma sem forma, sombra sem cor
Força paralisada, gesto sem vigor;
Aqueles que atravessaram
De olhos retos, para o outro reino da morte
Nos recordam – se o fazem – não como violentas
Almas danadas, mas apenas
Como os homens ocos
Os homens empalhados.

II

Os olhos que temo encontrar em sonhos
No reino de sonho da morte
Estes não aparecem:
Lá, os olhos são como a lâmina
Do sol nos ossos de uma coluna
Lá, uma árvore brande os ramos
E as vozes estão no frêmito
Do vento que está cantando
Mais distantes e solenes
Que uma estrela agonizante.
Que eu demais não me aproxime
Do reino de sonho da morte
Que eu possa trajar ainda
Esses tácitos disfarces
Pele de rato, plumas de corvo, estacas cruzadas
E comportar-me num campo
Como o vento se comporta
Nem mais um passo
– Não este encontro derradeiro
No reino crepuscular

III

Esta é a terra morta
Esta é a terra do cacto
Aqui as imagens de pedra
Estão eretas, aqui recebem elas
A súplica da mão de um morto
Sob o lampejo de uma estrela agonizante.
E nisto consiste
O outro reino da morte:
Despertando sozinhos
À hora em que estamos
Trêmulos de ternura
Os lábios que beijariam
Rezam as pedras quebradas.

IV

Os olhos não estão aqui
Aqui os olhos não brilham
Neste vale de estrelas tíbias
Neste vale desvalido
Esta mandíbula em ruínas de nossos reinos perdidos
Neste último sítio de encontros
Juntos tateamos
Todos à fala esquivos
Reunidos na praia do túrgido rio
Sem nada ver, a não ser
Que os olhos reapareçam
Como a estrela perpétua
Rosa multifoliada
Do reino em sombras da morte
A única esperança
De homens vazios.

V

Aqui rondamos a figueira-brava
Figueira-brava figueira-brava
Aqui rondamos a figueira-brava
Às cinco em ponto da madrugada
Entre a idéia
E a realidade
Entre o movimento
E a ação
Tomba a Sombra
Porque Teu é o Reino
Entre a concepção
E a criação
Entre a emoção
E a reação
Tomba a Sombra
A vida é muito longa
Entre o desejo
E o espasmo
Entre a potência
E a existência
Entre a essência
E a descendência
Tomba a Sombra
Porque Teu é o Reino
Porque Teu é
A vida é
Porque Teu é o
Assim expira o mundo
Assim expira o mundo
Assim expira o mundo
Não com uma explosão, mas com um suspiro.

(tradução:  Ivan Junqueira)

—-

Hysteria

As she laughed I was aware of becoming involved in her laughter and being part of it, until her teeth were only accidental stars with a talent for squad-drill. I was drawn in by short gasps, inhaled at each momentary recovery, lost finally in the dark caverns of her throat, bruised by the ripple of unseen muscles. An elderly waiter with trembling hands was hurriedly spreading a pink and white checked cloth over the rusty green iron table, saying: “If the lady and gentleman wish to take their tea in the garden, if the lady and gentleman wish to take their tea in the garden…” I decided that if the shaking of her breasts could be stopped, some of the fragments of the afternoon might be collected, and I concentrated my attention with careful subtlety to this end.

Fonte:Poem Hunter

aguarde nova enquete

sobre mim:

Nietzche em seu ensaio:“Moral Como Antinatureza” escreveu : A realidade nos mostra uma encantadora riqueza de tipos, uma abundante profusão de jogos e mudanças de forma.” ************************************ você pode acessar meus textos também através dos sites: Recanto das Letras Fabio R Poesia e Companhia

Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 48 outros seguidores

Acesso rápido

mais acessados

  • Nenhum
ATENÇÃO: Todas as poesias de minha autoria neste blog,são periodicamente compiladose registrados conforme as normas: da Lei N° 9.610,DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998 e da biblioteca nacional(EDR) Que regulamentam os DireitosAutorais no Brasil Qualquer reprodução integral ou parcial do conteúdo aqui expresso necessita autorização prévia do autor Fabio R.Vieira Obrigado......
outubro 2008
S T Q Q S S D
« set   nov »
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

RSS Notícias em tempo real

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.