The Worm’s Song

movie and movement

war and warranties

from be to bed

……………………bet

 ……………………

seek and sickness

mill and million

from food to foot

…………………..flood

 …………………..

crab, job, meat

crap, jog, meet

 …………………..

media and median

taste and testament

from mine to mime

…………………….minimize

 …………………..

gun, world, greed

gum, word, grit

…………………..

                   to leaf to leave

                            to vain to vein

                                         a worm too warm

Anúncios

Poesia Argentina (70’s)

 

Domingo 

Hoy es domingo em todas partes y a la tarde
Domingo em tu telefono
Domingo em los cenicientos suplementos
Literarios
Domingo em los corazones francos
De lãs mucamas y de lãs señoras com mucamas
Domingo em lãs cancillerías
Domingo em lãs barbas de los borrachos
-hermosas,canas,tristísimas
como um espejo abandonado
es el terrible dia em que Dios descanso
dia frio, ateo y peligroso
em que Dios dencansó como um banquero
hoy tengo um lugar donde caerme muerto
pero no lo tengo para vivir

Domingo 

Hoje é domingo em toda parte e à tarde
Domingo no teu telefone
Domingo nos cinzentos suplemento
literários
domingo nos corações livres
das empregadas e das senhoras com empregada
domingo nas chancelarias
domingo nas barbas dos bêbados
-belas,grisalhas,tristíssimas
como um espelho abandonado
é o terrível dia em que Deus descansou
dia frio, ateu e perigoso
em que Deus descansou como um banqueiro
hoje tenho um lugar onde cair morto
mas não tenho para viver

(Fernando Sánchez Sorondo)

 

*****

 

Última Sinfonía 

Sorprendido por Mozart a las 9
Em um callejón a bordo
De um viejo automóvil
Miro el humo sobre los techos
El árido terraplén
Um gato que se desentumece
Junto a um poço de agua estancada
No se produce ningún cambio
Aunque el aire pueda llamarse
– gracias a Mozart
matinal-
la paz em la corrupción
por um momento sea

Última Sinfonia

 

Surpreendido por Mozart às 9
Num beco a bordo
De um velho automóvel
Olho a fumaça acima dos tetos
O árido repleno
Um gato se espreguiça
Junto a um pouco de água parada
Não se produz mudança alguma
Embora o ar possa dizer-se

-graças a Mozart
matinal-
a paz na corrupção
por um momento seja

Jorge Ricardo Aulicino

Fonte:-A palavra nômade:poesia Argentina dos anos 70 –

Exercício de Composição II

Crucifiquem-me a vontade,
sem demagogia,nepotismo ou qualquer outro tipo de finalidade enrustida, o Rafael Coelho tem uma produção textual das mais inusitadas e com uma p#tª qualidade.Sei que essa descrição que fiz é muito vaga, mas qualquer termo acadêmico que eu usasse só iria te instigar a pensar “em uma baita duma chatice”. Chega do “exercício da paciência”.Segue mais um execício de composição :

TROVAS DE MI E DE TI MENOR

Há de ser estupidez?
Amortecido em colapso,
Ócio tece, me relapso,
Quase no fim: perco a vez. (rf)

– De estupidez vive o homem
(Não tem remédio efetivo).
Talvez um só paliativo
Nas compras que se consomem. (rf/fv)

-Agem sem domínio os pés,
Galgo em desafio as sendas
Celestes. Busco oferendas,
Só pra louvar a tua tez. (fv)

-As solas andam por fé
Com meus joelhos moendo.
Não, não! Nem estou podendo:
Caminho de marcha-ré. (rf)

– Então dê sua vira-volta.
As sendas, que de celeste
Esquece, são uma peste
Que não enrasca, só solta. (rf)

– Jazem as sombras e, em volta,
Reviso a mágoa que investe
Sob um mote cafajeste:
Disfarça o medo em revolta. (fv)

– Adoça a ferida o pus,
Servido em micro porções,
Supera o vinho e as canções,
Rogadas ao diabo e a cruz. (fv)

– Rasga nas mãos de Jesus!
As feridas sem razões
Não passam de uns arranhões,
Servidas com um cuscuz. (rf)

– Mas para que o problema?
Se algo mora em seu peito,
A fim de gostar do jeito,
Então solte minha algema. (rf)

– Já se confrontam num dilema
Emissões de causa-efeito.
Eu sôo verbo amaro no leito:
Imaginário dum poema. (fv)

– Às lágrimas byronianas,
Rogo por um eu menor.
Sendo válido o penhor:
Ressurjo em taças cranianas! (fv)

– Chega a um fim, balzaquiana,
a reflexão e o bolor,
sem Byron, sem o condor.
No valor, nada de grana. (rf)

+++++++++++++
Bom agora quem tem a função de jogar as pedras são vcs

*************

Rafael Coelho

****
-O processo

como curiosidade seguem os links a respeito do desenvolvimento do texto

épico

épico 2

textos do coelho

1

2

3

4

Tópico divulgação I

Fazer divulgação é um assunto extremente complicado pra mim, pelo fato de sempre se passar a intenção de estar vendendo alguma coisa(nem que seja a si mesmo, po pura necessidade de atenção).Mas por enquanto vou deixar de lado todas as minhas paranóias, para divulgar boas oportunidades de fazer bons contatos na poesia.

Grêmio Haicai Caminho das Àguas

Navegando Fotopoemas

(ps:o blog gerenciado pela amiga Carla Ivana,disponibiliza gratuitamente vários e-books de poesia, além de funcionar também como uma “comunidade de poetas” online)

Exercício de composição – I- sci-fi renga


É  “chover no molhado” repetir a frase que: a internet é uma ótima ferramenta para desenvolver a network.Nesse caso a  poetrywork(existem muitos grupos de discussão excelentes no yahoo, forúns e comunidades)Numa dessas conheci  o  Álvaro Posselt, poeta,haijin e ensaísta de curitiba. Apresento pra vcs agora um exercicío feito entre agosto e setembro de 2009.

*obs: K = kibashi sanshin, um desdobramento de personalidade que uso de vez em quando

 

****************************

” Rompendo os Séculos”

pombo-correio
carrega no bico
faísca do infinito(K)

                                         Na lente do telescópio
                                            o olhar inquieto (A)    
       

estrela de nêutrons:
consome-se em sacrifício
o amor ás deusas(K)
                                        
                                  perfuma o cosmos
                                  entre ciências empíricas(K)
                        
 
    Chuva de meteoros
    o tempo não tem memória
    esculpe gálaxias  (A + K)                         
                                                 

 
                               a  arte dos  versos
                               em efusão, raios gama( K)

*

Links para consulta:

-Álvaro Posselt

artigos

poesia

*

– Scifaiku

http://recantodasletras.uol.com.br/ensaios/1659704 (teoria do scifaiku)

http://recantodasletras.uol.com.br/forum/index.php?topic=4536.60

ou simplesmente digite scifaiku na caixa de busca deste mesmo blog

 *

-Poetry Work

Blog da Alice Ruiz

Poesia e Companhia

Recanto das Letras

Verso e Prosa

Yahoo Grupos(scifaiku,haicai,poetrix,sijo) entre outros

Glauco Mattoso -Haicais e Limericks-

 

HAICAIS

 

tudo se reduz
ao produto da ferida
poesia e pus

*
político gordo
faz acordo dos dois lados:
um pra cada lordo

*
uma nação séria
não faz pilhéria das outras:
ri da sua miséria

*

golpe militar
basta um par de generais
num papo de bar
*

o fedor do queijo
é o boceja da boca
que rejeita o beijo
*

um defunto horrendo
bem no fundo brota a vida:
verme se mexendo.

*

no trânsito lento
tento entrar na transversal
engarrafamento
*

cadáver no asfalto
do alto do viaduto
aplaudem o salto
*

casa com mansarda
não tarda a ser demolida
obra de vanguarda
*

travesti de porre
gilete no pó reflete
um pivete corre
*

rock sem guitarra
é fanfarra maquiada:
só bundão se amarra

LIMERICKS

num xibungo do Nordeste
descobriram nova peste:
é o tal ” mal de corno”
traz tanto transtorno
que ninguém quer fazer o teste…

*
vem de pindamonhagaba
e de rica a tal se gaba
na festa é fatal,
mas tá na total
pindaíba…que diaba!

(Fonte: Poesia Digesta: 1974-2004)

Site oficial