You are currently browsing the monthly archive for setembro 2016.

images2

 

 

 

 

 

 

 

 

Um drink na madrugada
ela sussurra estou interessada
em fingir que o tempo,
não é medido á curto prazo.

O seu corpo quer o toque
Como todo território inexplorado
Deseja a descoberta
E os dias de rotina anseiam
por notícias amenas.

Deitada na cama ela disse –
talvez um pouco agridoce
Fitar um ao outro por alguns minutos
E depois uma palavra obscena ou outra

Para fazer o que se deve a si
e não a quem te deve assim quisera Orwell
ter cometido crimedeias mas,
quisera ele ter resistido um pouco mais
quisera ele ter insistido um pouco mais

Deixar a porta fechada no quarto 101
mas demorou demais para nos dois termos percebido
que ela se foi sem ter se despedido
era uma noite qualquer de 1984

E nunca mais vimos aquela coragem
em não ajustar-se ao mundo.

Akikaze ya

Vento de outono
me dá seu travesseiro-
folhas secas

 

…Súbito relâmpago…

Súbito relâmpago
já vem dividir estrada
canção ancestral

Haijin

Manhã de tarefas
a sombra  das quaresmeiras

floresce um haijin

Fim de noite –
reflete a luz amarela
um olho de gato

 

Chamadas em espera
pautando planos futuros-
folhas amarelas

 

Noite de insõnia
olho  os passos dos boêmios
um quarto de lua

 

 

 

Na lenda coreana
escorrem  as lágrimas-
sobre azaleias

 

Este haikai é inspirado no poema coreano “Azaleias”(1925) escrito por Kim So-wol.

O poema tem como base a lenda em que um camponês tem sua amada transformada em azaleia, flor tipica da Coréia do Norte. Azaleia significa:”flor que nasce na terra seca”

 

Azaleas

When you turn away from seeing me
and go,
gently, without a word, I shall send you away.

From Mount Yak in Yongbyon,
azaleas
I shall gather an armful and scatter them on your way.

Step after step away
on those flowers placed
before you, press deep, step lightly, and go

When you turn away from seeing me
and go,
thought I die, no, not a single tear shall fall.

 

Continue lendo »

aguarde nova enquete

sobre mim:

Nietzche em seu ensaio:“Moral Como Antinatureza” escreveu : A realidade nos mostra uma encantadora riqueza de tipos, uma abundante profusão de jogos e mudanças de forma.” ************************************ você pode acessar meus textos também através dos sites: Recanto das Letras Fabio R Poesia e Companhia

Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 48 outros seguidores

Acesso rápido

mais acessados

  • Nenhum
ATENÇÃO: Todas as poesias de minha autoria neste blog,são periodicamente compiladose registrados conforme as normas: da Lei N° 9.610,DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998 e da biblioteca nacional(EDR) Que regulamentam os DireitosAutorais no Brasil Qualquer reprodução integral ou parcial do conteúdo aqui expresso necessita autorização prévia do autor Fabio R.Vieira Obrigado......
setembro 2016
S T Q Q S S D
« ago   abr »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

RSS Notícias em tempo real

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.