1-John W. Sexton

beneath their slant shoulders
zen spiral vortices …
pines

2-Michael A. Brennan

still majestic
the oaks through winter
the hopes

1-John W. Sexton

sobre os ombros caídos
vortices em espiral de zen…
pinheiros

2-Michael A. Brennan

ainda majestosos
os carvalhos pelo inverno
as esperanças

3-Rich Magahiz

3-Rich Magahiz

the perfect man enlighted and blond

o ser humano perfeito iluminado e loiro

4-John W. Sexton

self-shellcraft
FTL turtloid spacemirls
eggs intransit

5-Semi

the shift of tectonic plates
how her spirit trembles
in response

6-John W. Sexton

a bulb ruptures the city …
blossoms outdo the clouds
scent engulfs us

7-Rich Magahiz

shoebox Messiah
that last sutra
turned putrid

8-John W. Sexton

Hansel’s elevator off
goose down … no thirteenth floor
no six six six

4-John W. Sexton

autorepara a carapaça,
FTL turtloid espacial hermafrodita
ovulando …

5-Semi

o movimento de placas téctonicas
como o espirito dela treme
em resposta

6-John W. Sexton

um bulbo rompe a cidade
flores caem das nuvens
cerca-nos o perfurme

7-Rich Magahiz

Messias da caixa da sapato
o último sutra
tornou-se podre

8-John W. Sexton

Elevador de Hansel falha
o ganso cai….no 13º andar
não seis..seis ..seis

9-Rich Magahiz

Lord Antifish preaches to lost socks

Lord Antifishi prega para meias perdidas

10-Jhon W.Sexton
fore! …
return of the prodigal golf balls
all at once11-Assu

packets of love
letters fill trunks and sacks
she can’t find hers

12- Rich Magahiz

heads crown
through sandy loam
the kindergarten crop

13-Jhon W.Sexton

Hildevarga’s curse …
dog-penis stinkhorns
stiffen by the convent gate

10-Jhon W.Sexton
a proa!
o retorno de bolas de golfe prodigas
todas de uma vez…

11-Assu

pacotes de amor
letras enchem malas e sacos
não acha a dela

12- Rich Magahiz

escalpos
pela turfa arenosa
o jardim da infância colhe

13-Jhon W.Sexton

maldição Hildevarga
curva a glande do cachorro
endurecida pelo portão do convento

14-Rich Magahiz

working the sketchy street: compost boys

Trabalhando a rua projetada:meninos-composto

15-John W. Sexton

unfolding the blueprint
for fog … everything
is suddenly clear

16-Rich Magahiz

I, the last Romanov —
my swan-steeds
dry their wings

17-John W. Sexton

pinpricks of rust
the pontiff’s tailor’s pins
all dulled with angels

15-John W. Sexton

descoberto o projeto
apesar do nevoeiro….tudo
está claro de repente

16-Rich Magahiz

Eu, o último Romanov
meu hipogrifos-
secam suas asas

17-John W. Sexton

picadas de ferrugem
o alfaiate do pontífice conecta
todosos idiotas com anjos

18-Rich Magahiz

the nurse finds a vein, silver coins flow

a enfermeira acha uma veia,fluem moedas de prata

19-John W. Sexton

sputum from
a seraphim … galaxies fester
in his cough

20-Rich Magahiz

space operas
twisted into
my pocket square

21-John W. Sexton

I look up “parsec” …
the turps scent of 60’s
Asimov paperbacks

19-John W. Sexton

escarro vindo
de um serafim…galáxias apodrecem
em sua tossem

20-Rich Magahiz

operas espaciais
girando dentro
do meu lenço

21-John W. Sexton

procuro um parsec
o cheiro entorpecente dos 60’s
pesquisas de Asimov

22-Rich Magahiz

her toenail subscription: deadbeat debt

assinatura da unha do pé dele:expira a dívida

23-John W. Sexton

let them eat cake
Chef Frankenasty’s
evil marzipan creations

24-Rich Magahiz

we’re all jolly pirates
we fly
a tumor flag

25-John W. Sexton

space is not black
starlight perforates
the prism spaceship

23-John W. Sexton

deixe que comam o bolo
do chef Frankenasty
diabólicas criações de marzipan

24-Rich Magahiz

somos todos piratas alegres

hasteamos
uma bandeira-tumor

25-John W. Sexton

o espaço não é sombrio
a luz da estrela rompe
o prima da nave

26-Rich Magahiz

eyes roll back Grace sprints toward creation

a retina Graça girando em torno da criação

27-Kibashi San-(ou eu mesmo)

reincarnate the dust
layer by layer
binaries gods

28-Michael A.Brennan

mountain jaunt
dew becomes frost
beyond the fog line

29-John W. Sexton

ice crystals …
three-dimensional constructs
of stop

30-semi

turning off
the god genes. . .
tertiary meltdown

31-Rich Magahiz

school lunch:
a ration of
edible deity

27-Kibashi San-(ou eu mesmo)

reincarnado o pó
camada sobre camada
deuses binários

28-Michael A.Brennegan

trilha da montanha
orvalho vira gelo
atráves da linha do nevoeiro

29-John W. Sexton

cristais de gelo…
construções tri-dimensionais
do ponto

30-semi

desativados
os bons genes
sobrecarga terceária

31-Rich Magahiz

school lunch:
a ration of
edible deity

32-John W. Sexton

a’ weet, poor bonny
she draig l’t a’ transcendent body …
ergot in the rye

uma inspiração, pobre infeliz
quimeriza  um corpo transcedental…
ferrugem na cevada

33-Rich Magahiz

the king of Earth frowns — dank skunky beer

o rei Terra despreza-cerveja choca

34-John W. Sexton

moonstruck, the badger
lies dead … his innards a ribbon
tying us down

lunático, o texugo-
finge de morto..suas víceras uma gravata
nos prende ao chão
35-Rich Magahizwasp

wasp waist leash,
two tail wags, then comes
the bandersnatch

ferroada da vespa.
duas sacudidas na cauda,então vem
o arremate desertor

36-John W. Sexton

her pet malevolence
the witch strokes her fingers
through the river sprite

a crueldade com animais dela
a bruxa crava seus deus
atráves do duende do rio

37-Rich Magahiz

snarling low, his angel wolves pupate

choraminga baixinho,suas pupa de anjo-lobos

38-John W. Sexton

interpreting the yews …
on my palm
a woodlouse savant

39-Rich Magahiz

stacking godphones
at the zip stop
centipede girl

40-Kibashi San(ou eu mesmo)

natural sciencies-
ladybug aunt search
keeps in your car

38-John W. Sexton

38-John W. Sexton

decifra os ipês….
sobre a palma da minha mão
uma sábia broca

39-Rich Magahiz

empilhando as ligações divinas,
no mercado rápido
garota centopéia

40-Kibashi San(ou eu mesmo)

natural sciencies-
ladybug aunt search
keeps in your car

from r7

A cada animal que abate ou come sua própria espécie.
E cada caçador com rifles montados em camionetas
E cada miliciano ou atirador particular
com mira telescópia

E cada capataz sulista de botas com seus caes
& espingardas de cano serrado
E cada policial guardião da paz cpm seus cães
treinados para rastrear & matar

E cada tira à paisana ou agente secreto
co su coldre oculto cheio de morte
E cada funcionário público que dispare contra o público
ou que alveja para matar criminosos em fuga

E cada Guardia Civil em qualquer pais que guarda os civis
com algemas & carabinas
E cada guarda-fronteiras em tanto faz qual posto de barreira
em tanto faz qual lado de qual Muro de Berlim

E cada soldado de elite patrulheiro rodoviário em calças de
equitação sob medida & capacete protetor
de plástico & revólver de coldre ornado
de prata

E cada radiopatrulha com armas antimotim & sirenese cada tanque
antimotim com cassetetes & gás lacrimogênio
E cada piloto de avião com foguetes &napalm sob as asas
E cada capelão que abençoa bombardeiros que decolam

E qualquer departamento de Estado de qualquer superestado que vende
armas aos dois lados

E cada Nacionalista em tanto faz que Nação em tanto faz
qual mundo Preto Pardo ou Branco
que mata por sua Nação

E cada profeta com arma de fogo ou branca e quem quer que reforce
as luzes do espírito à força ou reforce o poder
de qualquer estado com mais Poder

E a qualquer um e atodos que matam& matam& matam& matam
pela Paz

Eu ergo meu dedo médio
na única saudação apropriada

Prisão de Santa Rita,1968

DRAMA NA CELA DISCIPLINAR

A aranha monstruosa está com apepsia:
Dou-lhe a aorazada mosca sempre à hora habitual
Mas não galga o violino como já fazia,
Solerte, amarela e negro,para a fatal
Deglutição, e só já reage à terceira
Fumarada do meu cigarro.Enfim, zangada:
não me lenbrei ver se aquela insulsa rameira,
já tonta, qu elhe dei,estaria tocada
Pelo insecticida de horas anres.Farrricoco
De moscardos à boa vida ou domador
Falhado, restm-me as paredes e eu-oco
No cerne-estes fonemas a does, o calor
E o frio, a loucura os janízaros bem pouco
Amogos, a colite, os versos sem valor…

ABANDONO VIGIADO

ler O’Neil
aqui na prisão,
é como cuspir na careca dum burguês
(francês, portugês ou angolês,
tanto fez ou faz….)
empanturrado de consideração…
portanto, meu rapaz,
desculpa a sem cerimónia,
e puxa-me de cachimmónia,
o sumo de limão
do verso que te aparaz…

MAGO

chispa uma estrela
no isqueiro
-camarada rotineiro
de sonho avulso e barato
na minha cela-
e por um segundo
sou o mago, insulso,
aziago e pacato,
que neste dia amrgo
crispa na mão fechada
a mais bela e amada
estrela do mundo…

Fonte:Poesia Africana de Língua Portuguesa(Antologia)

Mais>>

Biografia Resumida

História da Poesia Angolana(60/79)

Manifestações Literárias Angolanas(doutorado Papparoto,T.A)

to overtrhow

colours of angry

matches

para subvertar
pintam-se com ira
palitos de fósforos

**Poemas extráido do livro “Pulso”(1995)***

Biografia-  http://ulissestavares.com.br/?page_id=10

Poemas novos  http://ulissestavares.com.br/?page_id=1001

twitter http://twitter.com/UlissesTavares

aguarde nova enquete

sobre mim:

Nietzche em seu ensaio:“Moral Como Antinatureza” escreveu : A realidade nos mostra uma encantadora riqueza de tipos, uma abundante profusão de jogos e mudanças de forma.” ************************************ você pode acessar meus textos também através dos sites: Recanto das Letras Fabio R Poesia e Companhia

Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 48 outros seguidores

Acesso rápido

mais acessados

  • Nenhum
ATENÇÃO: Todas as poesias de minha autoria neste blog,são periodicamente compiladose registrados conforme as normas: da Lei N° 9.610,DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998 e da biblioteca nacional(EDR) Que regulamentam os DireitosAutorais no Brasil Qualquer reprodução integral ou parcial do conteúdo aqui expresso necessita autorização prévia do autor Fabio R.Vieira Obrigado......
agosto 2017
S T Q Q S S D
« abr    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

RSS Notícias em tempo real

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.